A hora de contar aos brothers que VOCÊ será papai

Soldado fora do rolê...

Tão difícil quanto contar aos pais que você será o mais novo papai do pedaço é revelar isso aos brothers. Afinal, avisar que você será pai é a mesma coisa que dizer: “rapaziada, soldado a menos no quartel”…

Eu contei para os meus amigos de várias maneiras. Aliás, eu falava para eles não espalharem, porque eu queria contar pessoalmente a cada um.

Para Gustavo, Kleber e Marcus, que foram à minha casa me encontrar, foi punk. Marcus já sabia, porque fazíamos parte de um rolê entre casais, tal… Eu e a mãe da Laura contamos para ele e para a namorada do garanhão na época, a Luane. Marcus se assustou, ficou com uma cara de espanto geral, mas se alegrou ao perceber que o casal estava feliz com a situação.

Kleber, como sempre, colocou a mão na cabeça e falou: “puultz”… Coisa que faz desde que era parecido com um ratinho e, mesmo assim, agradava as menininhas.

Gustavo me deu a maior bronca, disse várias pra mim, que eu ia ter que mudar, arrumar dinheiro, que seria muito difícil… Coisa normal…Afinal, esse é o que me conhece a mais tempo, o que mais cuida de mim e o que tem os melhores conselhos. Por isso, o escolhi como padrinho de Crisma, por exemplo.

Entretanto, os três, depois do susto, me abraçaram e prometeram sempre estar junto comigo. E ainda cumprem isso, por mais que a vida queira que fiquemos longe um do outro.

Para o Tito foi de boa. Acho que eu falei pela internet pra ele e não pude ver a cara dele de terror ao saber da notícia. Titão, cabeça fresca, me apoiou e também ofereceu muita ajuda. Além disso, Tits contou que a família dele ficou feliz e me passou os votos de “boa sorte” dos parentes. Aliás, eu adorei aquele beijo que sua irmã me mandou, Tito… HAHAHA Brincadeira, irmão. Só pra não perder o costume.

Ao Lucas, um grande amigo de infância, eu contei por telefone, porque a rotina não deixava que nos encontrássemos. Meu eterno companheiro de ataque no time do prédio, o CRA, me deu apoio total e disse que eu teria total condição de passar por isso. Mais legal ainda foi ver a felicidade da família dele, que a tenho com grande carinho no meu coração.

Aliás, bons tempos de fute que não voltam mais, né, Lucas? Éramos que nem Pelé e Coutinho… Né, Coutinho? HAHAHA.

Me recordo que o Pui e o Rychard foram tão bacanas comigo também. Pui sempre (mas SEMPRE MESMO) perguntando sobre a Laura, enquanto que o Ry me arrumava uns pagodes para aliviar a tensão.

Carota, quando ficou sabendo, mandou para a Laura um pato gigante de pelúcia.

Nos amigos do serviço, foi mais sucesso ainda. Minhas chefas na época, Mariana e Fernanda, pularam de alegria e me ajudaram muito a crescer na vida. Aliás, devo muito para as duas, que amo tanto e as considero fundamentais no meu sucesso. Além delas, os teachers da Wizard também foram os que me deram uma luz sobre a vida de pai. Adriana, que já era mãe guerreira, das batalhadoras, me mostrou os detalhes da vida paterna por um lado que eu não conhecia: o da mãe.

Na Band, bem, eu ainda era estagiário e consequentemente não tinha voz. Contei só aos chefes, já que precisaria faltar no dia do nascimento da Laura.

Na faculdade, eu falei para os meus amigos em uma “reunião” no CC, local onde comíamos e ficávamos antes e depois das aulas. Com o Jornalismo na veia, todos me encheram de perguntas, claro. E eu tentei responder a todas e fiquei mais feliz ainda de ver os sorrisos sinceros. Raphinha comprou uma mamadeira linda do Corinthians para a Laura que durou muito tempo! Cesão, grande pessoa, foi meu fiel companheiro no Chá de Bebê… Chamba, Eduardo, Johnny, Spider e PHV me apoiaram e me zoaram muito, pra variar… Tanise, Nivia e Tissi foram as mais fofas do planeta, sempre com palavras bonitas e reconfortantes.

Nunca falei a eles, mas cantar aos berros “Do you wanna dance” me fazia tão bem, que eu esquecia os obstáculos da vida por segundos…

Percebeu, papai jovem? É difícil, mas você vai ver que, se eles forem seus AMIGOS de verdade, sempre estarão do seu lado. Haja o que houver. E cada um dá a força que você precisa de um jeito. Cada um apoia da sua maneira.

E a Laura saberá que o papai dela tem pessoas muito especiais ao lado dele. Pessoas que ela pode chamar naturalmente de “tios” e “tias”, já que são para mim como verdadeiros irmãos.

E os que citei aqui são os que estavam comigo em 2009. Apareceram muitos outros titios em 2010, 2011…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s